Mobilidade Urbana Ônibus

Brasil: Automação ameaça a atividade de cobrador de ônibus, afirma estudo

Foto: Renato Araújo/Agência Brasília

Associação das Empresas de Transportes Urbanos (NTU) esclarece que os profissionais são requalificados e inseridos em outras funções


Um estudo realizado pelo Laboratório de Aprendizado de Máquina em Finanças e Organizações (LAMFO) da UnB (Universidade de Brasília) e divulgado pelo jornal Folha de S. Paulo na última segunda-feira (28/1) revelou que mais de 54% dos postos de trabalho com carteira assinada no Brasil podem ser fechados até 2026 se tais atividades forem assumidas por robôs.

Entre as profissões que podem acabar por conta da tecnologia já existente, a atividade “Cobrador de transportes coletivos (exceto trem)” ocupa o terceiro lugar na lista das mais ameaçadas, com 99,36% de chances de extinção. A ocupação perde apenas para as funções de taquígrafo (99,55%) e torrador de café (99,52%).

O estudo se baseou na quantidade de trabalhadores de carteira assinada no final de 2017, com dados da Rais (Relação Anual de Informações Sociais), do Ministério do Trabalho. O levantamento analisou mais de 2.602 profissões brasileiras. Com base nesses números, cerca de 25 milhões de trabalhadores (57,37%) ocupavam vagas com probabilidade muito alta (acima de 80%) ou alta (de 60% a 80%) de automação.

De acordo com a Associação Nacional das Empresas de Transporte Urbano (NTU), a adoção da bilhetagem automática nas cidades brasileiras pode indicar que, nelas, houve o fim da atividade de cobrador de ônibus. A associação destaca, no entanto, que “esses profissionais estão sendo requalificados e inseridos em outras funções”.

Os dados da NTU relacionam 101 sistemas de transportes públicos em várias localidades brasileiras, entre capitais, regiões metropolitanas e municípios. Em 86 deles existe bilhetagem automática, por exemplo, São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ), Goiânia (GO) e Brasília (DF). Em Porto Alegre (RS), parte da frota é dotada de catracas eletrônicas, num total de 1.550 ônibus. Já em seis cidades, como São José do Rio Pardo (SP) Erechim e Passo Fundo (RS), não há bilhetagem automática e em 10 municípios a situação não foi informada. A lista completa você pode conferir clicando aqui.

Requalificação de cobradores de ônibus

Um projeto coordenado pelo Serviço Social do Transporte (SEST) e o Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte (SENAT) requalifica cobradores de ônibus para diversas funções. Os alunos participam de cursos como “Especializado para Condutores de Veículos de Transporte Coletivo de Passageiros”, com duração de 50h presenciais (Resolução CONTRAN Nº 168/2004) e “Capacitação com Prática de Direção Simulada para Motoristas Profissionais”, com duração de 22 horas.

Desde 2018, o projeto já atendeu cerca de 690 profissionais das empresas de transporte, em sete unidades operacionais de São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ), Fortaleza (CE), Curitiba (PR), Belo Horizonte (MG), Maceió (AL) e Manaus (AM). A expectativa, segundo o SEST/SENAT é que, em 2019, o curso esteja na grade de suas 47 filiais e atendam a 9 mil cobradores.

As inscrições para o ano letivo de 2019 serão abertas em breve, de acordo com o órgão. Para participar, o profissional deve apresentar CPF, comprovar o vínculo empregatício com uma empresa de transporte e cumprir com os requisitos estabelecidos pelo Contran para mudança de categoria de CNH.

Redação

O BSB Mobi é um portal de notícias especializado em mobilidade urbana. O site traz as principais informações sobre o tema em todo o Brasil, com foco principal no Distrito Federal e Entorno.

Comentar

Clique aqui para comentar

Deixe uma resposta