Mobilidade Urbana Trem, Metrô e VLT

DF: Governo lança edital para terceirizar gestão do Metrô

Foto: Pedro Ventura/Agência Brasília

Documento foi publicado no Diário Oficial desta segunda-feira (6), no quinto dia de greve dos metroviários


O Governo do Distrito Federal lançou, nesta segunda-feira (06/05/19), um edital de chamamento público que é o primeiro passo para a terceirização do metrô do Distrito Federal. O anúncio acontece cinco dias depois que os metroviários deflagraram uma paralisação parcial dos serviços.

O documento estabelece que as empresas interessadas em gerir o metrô devem devem apresentar “projetos, levantamentos, investigações e estudos para a modelagem técnica, operacional, econômico-financeira e jurídica para a gestão, operação, manutenção e eventual expansão do serviço de transporte metroviário do Distrito Federal”.

A partir de agora, as candidatas tem um prazo de 30 dias para apresentar um requerimento junto a Secretaria de Transportes e Mobilidade demonstrando a intenção de participar do processo.

A greve do Metrô

Na última quinta-feira (2), os metroviários iniciaram uma paralisação dos serviços. O Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transporte Metroviários do DF (SindMetro), entidade que representa os trabalhadores, alega o não cumprimento de acordos coletivos desde 2015 e o corte de benefícios aos trabalhadores.

Na sexta (3) a Justiça do Trabalho acatou a solicitação do Metrô-DF e determinou que a categoria garanta efetivo para que 80% dos trens circulem durante os horários de pico (de 6h às 10h e de 16h às 20h). Fora desse período, 30% das composições devem estar em operação.

O que diz o Sindicato?

Em entrevista ao site Metrópoles, o diretor do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transporte Metroviários do DF (SindMetro), Hugo Leonardo Lopes da Silva, condenou a iniciativa. Segundo o sindicalista, “a privatização é inviável” e a “terceirização não é a resposta”. Ele destacou que a iniciativa privada busca o lucro, o que não seria possível em um sistema de metrô.

“No mundo todo, o metrô não dá lucro. A função dele é social para incentivar o transporte coletivo e diminuir a poluição ambiental. E a empresa não vai entrar na concessão para perder dinheiro. O governo vai ter que garantir esse lucro de alguma forma e quem vai pagar mais será a população“, alertou Hugo. Ele ainda frisou que a categoria buscará os meios para frear o processo de terceirização.

BSB Mobi

Site especializado em notícias sobre mobilidade urbana, especialmente na região do Distrito Federal e Entorno.

Comentar

Clique aqui para comentar